Header Ads


Espaço Hip Hop Huambo: "A Arte" Por Mister Henry - Portal Vany Musik

Por: Mister Henry
Revisão: Portal Vany Musik

Arte vai além da "catarse"... Por um lado, funciona como uma "catarse", em que colocam para fora sentimentos de tristeza, ódio, medo e revolta. Fazem "de cada frase de seus raps 'um cartucho musical', expondo, 'metralhando' catarticamente através das músicas a trágica realidade que os cerca". Por outro lado, funciona como uma busca de conhecimento, informação, visando à inserção na sociedade que os excluiu e sua conseqüente transformação.

Os narradores do rap argumentam que a sua música é o protesto contra a falta de conhecimento, contra a falta de senso crítico, mostrando no lema do RAP, também definido como as iniciais de revolução, atitude e protesto, que "as artes por si mesmas assumem uma posição política, a posição de protesto, da repulsa e recusa". A questão não é questionar a possibilidade da arte enquanto arte, como faz Marcuse. Procura-se apenas entender o que vem a ser esta arte que nasce na periferia de nossas cidades. 

Sem ter a questão política necessariamente como seu objetivo primeiro, os jovens desenvolvem um circuito de produção e consumo que traz questões políticas para a esfera pública. Ou melhor, seus estilos de vida são resultados de uma atuação não necessariamente 'engajada', mas que traz reflexos políticos.

Trata-se de uma arte que nasce da exclusão, da falta de acesso a outros meios de diversão como clubes, cinemas, teatros. É uma arte que diverte e que também informa, traz conhecimento. A arte do Movimento Hip Hop funciona como uma instância de mobilização, talvez a única a que esses jovens tenham acesso. Contudo, "não se trata de converter a arte em panacéia. Ela sozinha será um parafuso que gira no vazio. Trata-se de conscientizar (e saber os limites) sua função; parcela ela será relevante.
Com tecnologia do Blogger.