Header Ads


Huambo: Município do Bailundo desafia crise e dá passos largos rumo ao progresso - Portal Vany Musik

Por: Estevão Ngundia
Fonte: Angop/Huambo

Bailundo - O município do Bailundo (Huambo), um dos que mais sentiu os prejuízos da guerra, tem dado, nos últimos tempos, passos significativos rumo ao progresso, com a implementação eficaz do Plano Integrado de Intervenção dos Municípios (PIIM).

Contemplado com 14 acções, sete das quais de continuidade, num investimento de 672 milhões, 469 mil, 975 e 39 cêntimos de Kwanzas, o município do Bailundo está encontrar neste programa, lançado em 2019, a oportunidade de deixar para a história o rosto sofrido de há alguns anos, sendo já um verdadeiro postal que desenha um ar tão promissor.
A propósito da implementação do PIIM, o administrador do município do Bailundo, José Manuel dos Santos, em declarações à ANGOP, confirmou que este plano, de carácter bi-anual, contempla um total de 14 acções, sete das quais iniciadas em 2019, por altura do seu lançamento pelo Presidente da República, João Lourenço.
O gestor municipal informou que estes projectos estão relacionados com a construção do muro de vedação da escola primária Nº2 – Calandula, a conclusão de três instituições de ensino, de âmbito comunitárias, a reabilitação de uma outra de com 24 salas de aula, bem como a construção e apetrechamento da residência para os professores colocados na comuna do Lunge.
Paralelamente, informou que a administração municipal projecta, para os próximos anos, a construção 13 novas escolas para melhor acomodar os alunos e, ao mesmo tempo, reduzir o número de crianças (estimadas em 30 mil) que estudam em condições precárias, por falta de espaços.
O sector da Educação no Bailundo conta com mais de mil salas de aula em 130 escolas, onde, antes da interrupção do lectivo, no quadro das medidas de prevenção da covid-19 em Março deste ano, estavam a estudar 120 mil alunos do ensino primário ao II ciclo do ensino secundário, num universo de dois mil professores.
José Manuel dos Santos detalhou ainda que, entre as acções do PIIM, constam igualmente a conclusão das obras e o respectivo apetrechamento do posto médico da comuna do sector da Chilema, e um outro do tipo II na comuna do Bimbe, onde deverá ser construída ainda uma residência para os técnicos de saúde e um furo de água equipado com painéis solares.
Com durações que vão dos três aos seis meses, as acções do PIIM no município do Bailundo contempla igualmente, entre outras, a reabilitação do centro de saúde da Luvemba, para reforçar o Sistema de Saúde da municipalidade, com 30 unidades sanitárias, sendo dois hospitais municipais, cinco centros de saúde e 23 postos médicos, com 540 trabalhadores.
O administrador informou ainda que as autoridades do município encontram na execução do PIIM, uma oportunidade para tornar a vida da população mais animada, com a terraplenagem de 25 quilómetros estrada Monte Belo/Bimbe e Bailundo/Lunge, além da conclusão e apetrechamento de seis casas para os combatentes e do edifício sede da administração da comuna do Bimbe.
O PIIM, uma iniciativa do Governo angolano no quadro do processo de desconcentração e descentralização administrativa, abrange os 164 municípios do país e prevê a construção de diversas infra-estruturas com o impacto directo na vida do cidadão.
A conhecida terra do Rei Ekuikui, possui uma extensão de sete mil e 065 quilómetros quadrados e uma população estimada em 237 mil habitantes, distribuídos em 70 povoações comerciais e 568 bairros e aldeias que compreendem as suas cinco comunas Henque, Lunje, Bimbe, Luvemba e sede municipal.
A vila do Bailundo, sede do município com o mesmo nome, localizada a 75 quilómetros a Norte da cidade do Huambo, ascendeu à categoria da vila a 16 de Julho de 1902, através do Decreto-lei nº 54 do Boletim Oficial nº1.
Breve historial do Reino do Bailundo
Nesta região, encontra-se o “poderoso reino da tribo ovimbundo”, fundado no XV, então designado por Halavala.  
No decorrer deste período foram soberanos do Bailundo os reis Katiavala I, Jahulo I, Samandalu, Tchingui I, Tchingui II, Ekuikui I, Numa I, Hundungulo I, Tchissende I, Jungulo, Ngundji, Tchivukuvuku Tchama Tchongonga, Utondossi, Bonji, Bongue, Tchissende II, Vassovava e Katiavala II. 
O reino do Bailundo teve ainda como soberanos Ekongoliohombo, Ekuikui II, Numa II, Moma, Kangovi, Hundungulo II, Mutu Ya Kevela (vice-rei), Tchissende III, Jahulo II, Mussitu, Tchinendele, Kapoko, Numa II, Pessela Tchongolola,  Ekuikui III, Augusto Katchitiopololo (Ekuikui IV) e Armindo Kalupeteka (Ekuikui V), este último actual rei.
Com tecnologia do Blogger.